Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2005

sei

que não é fácil fazer rir os miúdos, espectadores exigentes que não riem para agradar ou porque têm pena, e muito menos porque as convenções sociais ou a moda a tal obrigam. Excelentes barómetros daquilo que é um humor bom, são capazes de discernir a pincelada cómica no meio do drama e de ficar absolutamente sérios durante uma suposta comédia. Desprezam as piadolas infantis em que são tratados como retardados mentais e, no circo, são poucos os que acham genuinamente piada ao número estafado dos palhaços. Mas se foram duas pessoas mascaradas de palhaço à porrada, aí o caso muda de figura. O que me conduz ao sucesso d´O Gato Fedorento com a miudagem, facto que não cessa de me espantar. Porque não é um tipo de humor que se dissesse, à partida, fácil e acessível: quem não entende a mordacidade e a ironia que se escondem por detrás do non sense de uma mesma frase repetida à exaustão (como, por exemplo, a minha porteira) não lhes achará grande piada. Mas as crianças, sem excepção, adoram - comparam punchlines no recreio, decoram sketches inteiros, chegam a casa e, ao invés do Canal Disney e da MTV pedem, ó mãeeee, põe aquela das ciganas a correr...Nunca se cansam e acham sempre graça, de cada vez que vêem (e podem ver vinte vezes). Fazem rankings das melhores piadas, que pirateiam em gravações caseiras e oferecem aos melhores amigos. Neste momento, cá em casa, na faixa etária 11/12, o homem que não era capaz de mentir, leva-os aos delírio; na faixa 8-11, o top mais é a entrevista do ...ATUM!!! Sabem as deixas de cor, deliram com o cão que é o atum, repetem com a exacta entoação os 27 anos na faina, e a propósito de tudo e nada encaixam um ATUMMM!!. na conversa. Já na faixa dos 5/5, nada é mais entusiasmante do que o desenrolar da Cirurgia: se faz favor, também se usa, na minha terra...sabe que isto da educação não está só nas palavras, e por aí fora, até à catarse, quando RAP pede um ursinho de peluche cor-de-rosa se faz favor! Há uma semana que ando a agradecer ao meu filho o urso, em jeito de adeus e olá. Cada despedida e cada posterior reencontro exigem o respectivo teatrinho e dão direito à correspondente e franca gargalhada.
E porque quem meus filhos beija, minha boca adoça, que Deus ou entidade equivalente os abençoe, a estes ricos meninos.
publicado por Vieira do Mar às 02:16
link do post | comentar | favorito
Domingo, 30 de Janeiro de 2005

mãe...

... já sei o que quer dizer "separar" : é quando duas pessoas ficam sozinhas.
publicado por Vieira do Mar às 12:15
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2005

chego à escola a meio da manhã

para lhe entregar a mochila esquecida em casa.
No meio da confusão, descubro-o lá ao fundo lavado em lágrimas por não sei por quê. Cedo à tentação animal de correr, de lhe lamber as lágrimas e de o embalar no meu colo. Aproximo-me dele com calma, limpo-lhe as lágrimas com a palma da mão e enquanto lhe entrego a mochila, pergunto-lhe o que se passou. Segue-se um arrazoado dos amigos, mais lágrimas, as gagas justificações dos inimigos, e ainda mais lágrimas. Em resumo, está na moda um jogo com uma espécie de tazos, que são usados em apostas. Só que os maiores fazem batota e amanham-se com os tazos dos mais fracos.
Sinto a minha mão indecisa entre disparar para a bochecha do ladrão badocha, ou abrir-lhe à força os dedos, que apertam ciosos a porcaria dos tazos que acho que são do meu filho. Na incerteza, baixo a mão.
Cedo ainda à vontade de voar à papelaria da esquina, comprar todo o stock de tazos e cobrir com eles a tristeza do meu filho.
Por fim, dou-lhe um beijinho, faço-lhe uma festa na cabeça como que a dizer deixa lá, não ligues, atiro um olhar de lança-chamas ao badocha, que se encolhe, e vou-me embora, com o coração esmifrado, torcido e apertado como num torno.

É um facto: no microcosmos social que é o recreio, impera a lei do mais forte e não há professora ou vigilante que o possam impedir. Sinto que devo estar mais atenta.
publicado por Vieira do Mar às 02:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2005

paz!

"não é nada, estava no chão do meu quarto, por isso é meu! és um troll, quando te apanhar a jeito vais ver! ai é ? então devolve-me a caderneta que te emprestei! não devolvo nada, se quiseres tenta tirar-ma, vais ver...mongo! e tu és uma baleia badocha e agora vou dizer à mãe quem é o teu namorado, ai vou! ai vou! atreve-te, anormal, nem sabes o que eu te faço! aiiiiii, mãeeeee, ela está-me a bater! e tu deste-me um pontapé no cotovelo, olha mãe, olha aqui a marca!.."


Estou convencida de que, se em vez dos paralelos de calçada que são o Bush e o Sharon, pusessem uma mãe de dois, três ou mais - uma qualquer, dessas que há para aí aos milhares pelo mundo - a tentar resolver, por exemplo, o conflito no médio oriente, já a terrinha santa se encontraria toda divididinha, as fronteiras bem demarcadinhas e cada um no seu canto, a viver contentinho e em paz.
publicado por Vieira do Mar às 20:12
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2005

eternidade

- mãe, nós morremos para sempre ou vivemos outra vez?


- não sei, filho, há quem diga uma coisa, outras pessoas dizem outra...olha, como nunca morri, se queres que te diga, não sei.


(silêncio prolongado. os carros lá fora. as travagens. as buzinas. as pessoas. a cidade a mexer. a dúvida a remexer.)


- mas mãe...quem é que gostavas que ganhasse?


(eu longe. em casa. no cinema. na revisão do carro. nas coisas por pagar. no jantar por fazer.)


- que ganhasse o quê, filho?


- sim, gostavas que ganhassem os que acham que se vive outra vez ou os que acham que morremos para sempre?


- Gostava que ganhassem os que acham que vivemos outra vez. Era bem mais giro.


(silêncio breve. brevíssimo. satisfeito. completo.)


- Pois. Era só viver...e viver...e viver...e viver....e toda a gente a viver...a viver... a viver... a viver...


(e lá fomos a viver e viver e viver até casa. felizes. a imaginar a eternidade do nosso amor)
publicado por Vieira do Mar às 02:10
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2005

intervalo de ser mãe

Acordar a meio do sono,

pôr os pés frios no chão e

descansar no abandono

em frente à televisão.


Espreitar o sexo explícito,

um bom filme de terror

ou o vendedor solícito

a impingir um aspirador.


É naquela hora roubada

em que tudo me diverte

que eu fico ali sossegada

numa transgressão calada

até que a manhã (os) desperte.
publicado por Vieira do Mar às 12:08
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2005

insónia

Termos um filho que não dorme de noite

durante o primeiro ano de vida,

muda-nos para sempre.

Tempos depois, ainda

olhamos para o cair da noite com um ligeiro travo de angústia e

acordamos em sobressalto com o mero restolhar dos sonhos.
publicado por Vieira do Mar às 02:07
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 18 de Janeiro de 2005

a caminho da escola

- Mãeee, porque é que os nossos ossos não caem?


(e eu sei lá?! aperta mas é o cinto!)

- Olha querido, porque yadayadayada... sabes os Legos, que encaixam uns nos outros? yadayadayada.


- Mãeee, então os ossos são de plástico?


(mas que raio de pergunta logo às 8 da manhã... )

- Não, querido, são feitos de várias substâncias...yadayadayada... têm cálcio... yadayada.


- Mãe, acho que não percebes nada disto.
publicado por Vieira do Mar às 09:06
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2005

numa família de cinco

vírus que ataca um, ataca todos.


Excepto a mãe-malabarista-equilibrista-analgésica-antipirética que, por entre pijamas e chãos vomitados, termómetros e choros choramingados, exibe o seu número circense.


Porque ela, meus senhores, meniiinos e meninaaaas, tem a fantástica capacidade de acudir a várias barrigas barulhentas de uma só vez, com a ligeireza de um triplo mortal.
Tcharaaaaaaan.
publicado por Vieira do Mar às 02:03
link do post | comentar | favorito
Sábado, 15 de Janeiro de 2005

...

"Mãe, o senhor incrível dá murros nos maus e faz poffff! E a mulher elástica estica muuuuuuito os braços, estiiiica e... iááááááááá!, também mata os maus. Depois há o Zezé, que não tem poderes e só se transforma num Diabo, e não faz nada, mas a Violeta atira uma bola contra os maus e vrrrrruuuuuuuummmm...mata-os a todos! O mais mau de todos é o Sindrome que lança uns raios assim, zzzzzzzzzt!, mas o Flecha corre muito, catapumcatapum, e ele nunca o apanha..."


Duzentos quilómetros de onomatopeias depois, e varreu-se-me a tristeza miudinha de saber que vai passar a ver o mundo através de lentes inquebráveis. O que interessa é que veja o mundo.
publicado por Vieira do Mar às 02:01
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2005

à noite

quando fecho os olhos e sinto as doces respirações que se espalham pelo resto da casa, atacam-me medos gigantescos de doenças e desgraças. Tão grandes que não os escrevo aqui, não vão as letras formar palavras que dêem ideias estranhas a quem quer que mande nisto.

E então fico quietinha, muito quietinha, debaixo dos lençóis, a estender mentalmente os meus braços, as minhas pernas e as minhas asas protectoras sobre quem dorme por perto, esperando que a dor nunca repare neles.
publicado por Vieira do Mar às 01:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
vieiradomar@sapo.pt
Sofia Vieira

Divulga também a tua página

. Setembro 2013

. Novembro 2011

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005