Quarta-feira, 1 de Outubro de 2008

a recém... artista

A minha filha mais velha saiu do confortável casulo/colégio particular em que sempre andou, para ingressar numa escola pública, na vertente "Artes Visuais". Começou pela sandalucha de missanga no dedo, avançou para a calça balão dos indianos e as túnicas étnicas com decotes violentos; depois vieram os brincos compridos a chocalhar, um diferente em cada orelha, mais dois ou três furos por aí acima e uma espécie de anel na parte superior da cartilagem (sem furo, por enquanto). Os cabelos já lhe vão a meio das costas, as pontas demasiado espigadas e, enrolados ao pescoço, aqueles horrorosos lenços aos quadrados do hezbolah. Toma dois banhos por dia mas não parece e já me fala em piercings no umbigo e num brilhantezinho – daqueles pequeninos, vá lá mãe! –na narina esquerda.

 
Declaração de interesses: eu sou basicamente uma beta. Uma beta hippy-chique, mas uma beta. Simpatizante dos norte-americanos, da causa judaica, da sociedade de consumo, da Vanity Fair, da Net a Porter e das botas Prada, pois há muito que me habituei a usar luvas nos pés. Sei que é bastante saudável e até desejável,  isto de os adolescente cultivarem a sua individualidade afirmando as diferenças e por aí fora, mas também sei que  terei de me submeter rapidamente a uma cirurgia para alargar o esófago: só assim conseguirei engolir os sapos que aí vêm.
publicado por Vieira do Mar às 11:58
link do post | comentar | favorito
38 comentários:
De AmarPerdidamente a 1 de Outubro de 2008 às 14:05
Ai!!!! Até parece que já me estou a ver daqui a mais uns anos. Para já aqui em casa até já aceitamos roupas com caveirinhas, mas confesso que os piercings ainda estão longe de terem passe de entrada. De qualquer forma a minha parece estar muito mais desperta para o romance e como tal entramos numa fase mais cor-de-rosa. No entanto já avisou que este fim de semana vai cortar as mangas a uma t-shirt porque fica "bué da giro, mãe".
Para o que uma mãe está destinada.
Pegando no assunto da amamentação, consigo entender quem não queira amamentar, mas tambem consigo (devido a questões muito, muito pessoais) entender as defensoras da mama, e reportando-me ao teu post, os meus filhos sempre foram iniciados com o S26, o ultimo na versão Gold.
De Vieira do Mar a 1 de Outubro de 2008 às 16:24
Eu entendo todas: as que amamentam, e as que não podem ou não querem. Não sou, no entanto, defensora de nada, acho mesmo que cada um sabe de si e do seu bebé (neste aspecto particular, claro). E o S26 sempre foi sem dúvida o melhor leite artificial do mercado.

Quanto à fase "cor-de-rosa", que sorte! A minha, infelizmente, nunca gostou de rosa e ainda hoje não suporta coisas com flores porque diz que a "obrigava" a vestir vestidos quando era pequena e ela detestava... Mas felizmente já abandonou a fase semi-gótica, credo.

Comentar post

vieiradomar@sapo.pt
Sofia Vieira

Divulga também a tua página

. Setembro 2013

. Novembro 2011

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005